Saltar para: Post [1], Pesquisa e Arquivos [2]

O Evangelho Segundo o Espiritismo à luz da Bíblia

Kardec afirmou que "O Evangelho Segundo o Espiritismo" era a última revelação de Deus à humanidade e a mais actual e correcta. Milhões têm sido enredados por essa doutrina que vem sendo modificada...

O Evangelho Segundo o Espiritismo à luz da Bíblia

Kardec afirmou que "O Evangelho Segundo o Espiritismo" era a última revelação de Deus à humanidade e a mais actual e correcta. Milhões têm sido enredados por essa doutrina que vem sendo modificada...

10
Nov16

Na primeira e na segunda gerações ... o Espírito culpado ainda não reencarnou...

Maria Helena

Na página 42 do "Evangelho segundo o espiritismo", em nota de rodapé podemos ler:

«Esses textos truncados que aparecem na tradução da Igreja Anglicana, na Católica de Figueiredo, na Protestante de Almeida e outras, tornam monstruosa a Justiça divina, pois que filhos, netos, bisnetos, tetranetos inocentes teriam de ser castigados pelo pecado dos pais, avós, bisavós, tetravós. Foi uma infeliz tentativa de acomodação da Lei à vida única.
O texto certo que, por mercê de Deus, já está reproduzido pelas edições recentíssimas a que nos referimos — traduções Brasileira e de Zamenhof —, que conferem com São Jerônimo, mostra que a Lei ensina veladamente a reencarnação e as expiações e provas. Na primeira e na segunda gerações, como contemporâneos de seus filhos e netos, o Espírito culpado ainda não reencarnou, mas um pouco mais tarde — na terceira e quarta gerações — já ele voltou e recebe as consequências de suas faltas. Assim, o culpado mesmo, e não outrem, paga sua dívida. Logo, tem-se de excluir a 1a e 2a gerações e expressar “na” 3a e 4a, como realmente é o original. Achamos conveniente acrescentar aqui esta nota, para facilitar a compreensão do estudioso que confronte a sua tradução da Bíblia com a citação do Mestre.»

 

Pois é! O espírita que escreveu as notas de rodapé, além de demonstrar a sua profunda ignorância do significado do texto bíblico, deu tiros nos próprios pés ao afirmar que algo que hoje é relatado como "prova da reencarnação" seria impossível. Mas vamos por pontos:

 

1 - Kardec foi muito claro ao afirmar que os Dez Mandamentos são claramente ordenados por Deus, logo, cada palavra dos versículos citados é verdadeira e, a ser assim, a nota de rodapé é uma falsidade.

Em momento algum Deus afirma que os filhos pagam pelos pecados dos pais e isso seria fácil de ver se o espírita que escreveu a barbaridade que lemos conhecesse melhor a Escritura. A primeira pergunta é:

Será que Deus está a afirmar que os filhos pagarão peos pecados dos pais?

Não! Moisés deixou claro que os filhos não são punidos pelos pecados dos pais: «Os pais não morrerão pelos filhos, nem os filhos pelos pais; cada um morrerá pelo seu pecado.» (Deuteronómio 24:16), e Ezequiel, que conhecia a Escritura, sabia disso: «Mas dizeis: Por que não levará o filho a iniquidade do pai? Porque o filho procedeu com rectidão e justiça, e guardou todos os meus estatutos, e os praticou, por isso certamente viverá. A alma que pecar, essa morrerá; o filho não levará a iniquidade do pai, nem o pai levará a iniquidade do filho.» (Ez. 18:19), mas os filhos sentem o impacto das violações da lei de Deus pela geração dos seus pais como consequência natural da sua desobediência e do seu ódio a Deus. Filhos criados nesse ambiente incorporam e, depois, praticam idolatria semelhante, expressando assim eles mesmos desobediência odiosa. A diferença na consequência serve de advertência e de motivação. O efeito da geração desobediente é plantar tão profundamente a maldade que se fazem necessárias várias gerações para a reverter. [1] 

Portanto, como podemos constactar, em momento algum a Bíblia ensina o que o "espírita iluminado" entendeu, nem "veladamente" nem de maneira alguma. A justiça divina nunca se apresentou como monstruosa e só quem, maldosamente, retira textos do contexto e isola partes da Palavra do seu todo é que pode escrever tamanhas barbaridades. Ninguém tentou acomodar o texto à verdade de que só há uma vida terrena e que é nessa vida que fica decidido onde será passada a eternidade - céu ou inferno «E, como aos homens está ordenado morrerem uma vez, vindo depois disso o juízo,» (Hebreus 9:27). O que o espiritismo considera como texto certo para basear a reencarnação não procede à luz do hebraico e das demais traduções da Escritura, e o "na", como já foi provado no post anterior e está a ser aqui provado novamente, só mesmo numa mente distorcida poderia apontar para a teoria espírita.

 

2 - Seria uma vergonha se o "entendido" que escreveu a nota de rodapé não tivésse percebido que se "em a; contracção da proposição em, com o artigo a" = na" fosse mesmo a palavra correcta, duas gerações passariam em claro e estariam isentas da reencarnação, então, para mascarar esse facto, o espírita alega: «Na primeira e na segunda gerações, como contemporâneos de seus filhos e netos, o Espírito culpado ainda não reencarnou, mas um pouco mais tarde — na terceira e quarta gerações — já ele voltou e recebe as consequências de suas faltas.»

E PUM! Mais um tiro no porta-aviões!

Na tentativa de provar que a reencarnação é um facto inegável, os espíritas esquecem-se das notas de rodapé d"o evangelho segundo o espiritismo" e publicitam testemunhos como os que se seguem:

 

«Em 1990, o canadense Bruce Whittier começou a ter sonhos recorrentes de ser um homem judeu se escondendo em uma casa com sua família. Segundo as suas lembranças, seu nome era Stefan Horowitz, um judeu holandês que foi descoberto em seu esconderijo junto com sua família e levado para Auschwitz (1939 a 1945), onde morreu.»

 

«Gus Taylor tinha um ano e meio de idade, quando começou a dizer que ele era seu próprio avô, Augie. É fato que as crianças pequenas podem se confundir com a sua própria identidade e as de seus familiares, mas esse caso era diferente. Seu avô tinha morrido um ano antes de Gus nascer. Porém, a família guardava u segredo nunca dito na frente ou perto de Gus: a irmã de seu avô tinha sido assassinada e jogada na baía de San Francisco. Esse segredo, porém, foi citado por Gus, quando ele tinha quatro anos de idade e começou a falar sobre a sua irmã morta. A família ficou em choque. Ainda de acordo com as supostas lembranças de Gus, Deus lhe deu um bilhete logo depois que ele morreu e, com esse bilhete, ele foi capaz de viajar por um túnel e depois voltou à vida com a nova identidade, como seu próprio neto.»

 

«O garoto libanês de cinco anos, Imad Elawar, começou a falar sobre sua vida em uma aldeia vizinha, citando os nomes "Jamile" e "Mahmoud" desde que tinha dois anos de idade. Ele dizia que essas pessoas tinham sido seus vizinhos. Com esses fatos rolando na família, a criança e seus pais foram investigados por um especialista. Imad fez 55 revelações diferentes sobre a sua vida passada e a família visitou a aldeia que o menino citava, juntamente com o especialista. Eles encontraram a casa que Imad afirmava ter vivido e ainda identificaram 51 fatos e experiências mencionadas por ele, que foram confirmadas como exatas. Com fotos, Imad reconheceu um tio distante, Mahmoud, e sua amante da vida passada, Jamile.»

 

Vemos aqui que, na tentativa de provar a reencarnação ao usar testemunhos de crianças de tenra idade, os espíritas acabam por entrar em contradição com as suas próprias doutrinas e, ao contrário do que afirmou o autor das notas de rodapé do E.S.E., parece que as palavras certas na Bíblia eram mesmo "até à" porque a explicação espírita de que não haveria reencarnação nas duas gerações seguintes cai por terra pelos seus próprios testemunhos.  E, convém não esquecer que, no tempo em que o Antigo Testamento foi escrito, os homens viviam mais de 100 anos. 

O leitor deve estar a perguntar-se como é que crianças tão novas poderiam inventar essas histórias... Podem não ter inventado. Podem ser apenas vítimas de Satanás ou ter ouvido as histórias desde muito cedo e recontá-las como se tivessem sido vividas por elas.

 

O "expert" espírita termina a nota de rodapé com estas palavras: «Assim, o culpado mesmo, e não outrem, paga sua dívida.»

Verdade! Em toda a Escritura podemos ver que o culpado paga sempre pelos seus pecados: «O Senhor é longânimo, e grande em misericórdia, que perdoa a iniquidade e a transgressão, que o culpado não tem por inocente,» (Números 14:18a);  «Não erreis: Deus não se deixa escarnecer; porque tudo o que o homem semear, isso também ceifará.» (Gálatas 6:7). Tudo o que o homem fizer nesta vida pagará aqui e, caso não se arrependa dos seus pecados e não entregue a sua vida a Jesus Cristo, Deus que se fez homem e veio pagar o preço pelos pecados de todo aquele que n'Ele crer, as consequências durarão por toda a eternidade «E o testemunho é este: que Deus nos deu a vida eterna; e esta vida está em seu Filho. Quem tem o Filho tem a vida; quem não tem o Filho de Deus não tem a vida.» (1 João 5:11-12) 

 

Próximo post: Pág. 43 d"O evangelho segundo o espiritismo" - Qual foi a lei que Jesus veio cumprir?

jesus-cristo-o-deus-jeova-37-728.jpg

 

[1] Bíblia de estudo MacArthur, pág. 118.